Anexo V – AFO II

O Projeto de Duplicação da BR040 executado pelo grupo BR3 Projetos, aborda vários aspectos de desenvolvimento de infra-estrutura viário, dentre eles o “desenvolvimento econômico regional” que será favorecido após a execução do mesmo por meio da melhoria logística ocasionado pelo aumento de duas para quatro pistas e pela qualidade pretendida da rodovia. A expectativa do Governo Estadual é de um crescimento de cerca de 20% na economia local impulsionada pelos novos investimentos e pelo aquecimento da economia em virtude da facilidade de acesso, segurança e melhor trafegabilidade pela rodovia.

 A duplicação da pista de rolamento da Rod. BR-040 entre as cidades de Sete Lagoas e Curvelo – MG facilitará o tráfego e o escoamento da produção agrícola, já que a capacidade atual da BR-040 neste trecho já está praticamente esgotada, irá beneficiar cerca de 160 cidades do Oeste, Centro, Noroeste, Norte e Nordeste de Minas Gerais, reduzindo os congestionamentos, além de proporcionar a melhoria da logística e, por conseqüência, o crescimento da economia do estado. Este projeto busca expandir a infra-estrutura viária do Estado para promover o desenvolvimento econômico e industrial de Minas além de reduzir os índices de acidentes na rodovia e proporcionar maior segurança aos motoristas e passageiros que utilizam a mesma. 

Oportunidades

  • Melhoramento da logística regional;
  • Aumento da capacidade de circulação viária;
  • Redução dos índices de acidentes;
  • Geração de renda para o setor público e privado.

Ameaças

  • Impactos ambientais;
  • Ações jurídicas em virtude das desapropriações;
  • Impactos negativos da futura privatização;
  • Impactos econômicos em Cidades em que a rodovia passava.

As forças externas que motivaram a construção e a duplicação da BR-040 foram principalmente; Políticos, Sociais e Econômicos, sem esquecermos a Logística e a Segurança dos usuários da rodovia. Esses foram os maiores motivadores para a realização desse projeto. Ao observarmos a história da rodovia desde seu início percebemos que houve muitas pressões da sociedade, da imprensa e da própria população para que o projeto saísse do papel e trouxesse os beneficios que o Brasil precisava. Uma rodovia que proporcionasse o crescimento econômico do País e melhorasse a rota entre as capitais, encurtando a distância entre Brasilia e São João da Barra no Rio de Janeiro, além disso a construção de estradas e rodovias era um dos maiores desejos e principal idéia de governo do então Presidente do Brasil “Washington Luis, que declarava à Nação que “Governar é abrir estradas”.

Políticas:

Podemos considerar que o fator Político foi fundamental para concretização da duplicação da Rodovia neste trecho, com a participação do Governo Federal (PAC), foi possível incluir a obra no planejamento do PAC e com isso fortalecer as bases partidárias do Governo atual.

Sociais:

As obras de Duplicação de BR-040, entre Sete Lagoas e Curvelo, favorecem os diversos interesses da sociedade, como, habitantes das cidades próximas, comunidades rurais, comerciantes, dentre outros, facilitando o acesso, reduzindo o tempo de viagem, reduzindo os índices de acidentes.

 Econômicas:

Os fatores econômicos foram importantes para acelerarem o processo de duplicação da BR-040. Pois, essa obra faz com que a econômia da região seja fortalecida, incentivando os investimentos por parte dos empresários, além de melhorar a rota de tráfego comercial dos produtores rurais e de siderúrgicas locais.

 O Sponsor neste projeto é o Governo Federal – PAC (Programa de Aceleração do Crescimento).

O projeto teve uma estimativa total de investimento pelo DNT de R$193.223.283,42 para ser executado em 24 meses, porém por motivos de interdições judiciais, a mesma está atrasada cerca de 12 meses, com previsão para o término em dezembro de 2010. O Projeto total foi fechado em 2007 por R$186.496.341,44 com reajustes anuais previstos em contratos.

 MUDANÇAS RELACIONADAS À EXECUÇÃO DO PROJETO

 Pontos Positivos

  • Aquecimento da economia da região;
  • Possibilidades de novos investimentos na região
  • Melhor fluxo logístico;
  • Benefícios para as empresas e comércios locais;
  • Maior segurança e conforto para os usuários da rodovia;
  • Melhoria no traçado da antiga pista proporcionando correções em locais considerados perigosos;
  • Melhor percepção dos usuários em relação a BR e a região;
  • Visual mais moderno, remetendo ao desenvolvimento;
  • Melhor acesso às cidades envolvidas no projeto;
  • Aumento efetivo populacional devido ao alojamento dos empregados das construtoras.

 Pontos Negativos

  • Deslocamento das populações próximas a estrada (desapropriações);
  • Desmatamento das áreas de serrado nativo para construção da nova pista;
  • Alterações na paisagem local (impactos ambientais);
  • Alteração no cotidiano das populações envolvidas;
  • Riscos de acidentes causados pela obra;
  • Danos no asfalto devido à alteração do tráfego para uma pista só durante as obras;
  • Investimentos não planejados que os empresários precisam fazer para não perder clientes em virtude de alterações no traçado da pista ou mudança de layout no projeto. Ex. mudar o restaurante de lugar, para continuar atendendo aos clientes que antes passavam pelo local.

 HDM 4

O programa HDM-4 foi idealizado para a análise econômica de rede rodoviária para investimentos com restrição orçamentária, buscando atingir a maior extensão possível, visando o maior retorno através do Valor Presente Líquido dos diversos cenários estudados, dentro de um horizonte de projeto (por exemplo, 20 anos), podendo analisar diversas alternativas de intervenção para cada célula, indicando a época para a realização dos investimentos, tendo como objetivo final a melhor condição da rede no final do horizonte de projeto.

São dados de entrada para a rodada do HDM-4 as condições atuais dos pavimentos das rodovias, obtidas no Banco de Dados para cada célula (extensões, estrutura, volume de tráfego, defeitos, irregularidade, deflectometria, geometria – largura de pista, largura de acostamentos, declividades médias, índice de curvatura, etc. – condições climáticas, de topografia, idade do pavimento, idade da última restauração, etc.), dados da frota nacional (tipo de veículos, peso, custos de aquisição e de manutenção, custo do combustível), as políticas de intervenção (tipo de manutenção ou restauração e custo) e os cenários de investimento.

Os resultados do HDM-4 são traduzidos nos tipos de intervenção para cada segmento, custo e época, dentro de um cenário de investimentos. Cabe aqui salientar que este programa é de uso obrigatório para obtenção de investimentos do Banco Mundial.

Veja mais…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s